25 de julho de 2012

"Admiro sua coragem"

Querida Mona,

há dois anos, quando eu tinha acabado de chegar no seminário, estava morrendo de medo de como seria ter que falar, escrever e, pior, pregar em alemão. Aí você grudou em mim e saltitou comigo pelo seminário, dando dicas, ajudando e me corrigindo com paciência. Almoçavamos e jantavamos juntas, estudavamos juntas, filosofavamos juntas. E quando você me pediu ajuda com as lições de grego, fiquei tão feliz. Afinal, com isso descobri que eu não era a única que às vezes simplesmente não conseguia acompanhar!

Desde que a conheci fiquei vendo vez após vez como você simplesmente ia e se aventurava de formas que nunca pensei possíveis para uma garota. A bicicleta a dois é fichinha perto do resto. Você dirigiu aquele carro (o que eu não tenho coragem), foi patinar no gelo (que eu morro de medo), saiu para esquiar (jamais!), andou de camelo (preciso comentar?) e o que você mais gosta de fazer é pular de trampolim e correr. Que doida!

E o mais marcante disso tudo é que você ainda uma vez me disse: “Admiro tanto você, Noemi, pela sua coragem, pelos obstáculos que você supera. Não deve ser fácil estudar em um idioma estrangeiro, mas você se esforça e enfrenta suas dificuldades e consegue mesmo assim. Parabéns!”

Moninha, você é um exemplo. Obrigada!

Com amor,
Mima

[white_box]

Mona, uma linda jovem de 20 anos, é minha colega de seminário e é a melhor aluna da classe.

Detalhe: Mona é cega de nascença e tudo que enxerga, até mesmo em seus sonhos, são sombras.

Ela diz que uma vantagem dessa condição é que quando lê as histórias na Bíblia, em vez de imaginá-las diante de seus olhos, como um filme, ela as vivencia, como todo o resto da vida.

Mal posso esperar para ver no céu, a surpresa e a delícia que será para Mona enxergar formas e detalhes pela primeira vez.

Mas, pensando bem, quem sabe existem outros sentidos adormecidos em todos nós que nem sabemos e só lá experimentaremos. Creio que será uma surpresa e uma delícia para todos nós.[/white_box]