9 de outubro de 2012

Apenas um sorriso seu

Foi naquele romance adolescente que li o mocinho exclamar: “As nuvens são o pó dos pés de Deus”.

A julgar pelo nosso céu nos últimos tempos, Deus tem andado a fazer muitas caminhadas.

Talvez tenha mesmo acabado de passar por aqui. Quem sabe alguns minutos mais cedo e eu o teria visto com meus próprios olhos passeando, se afastando, abandonando essa cidade—para sempre? Minutos, fazendo a diferença de toda uma vida. Será? Isso explicaria, no entanto, essa saudade de não-sei-do-quê aqui dentro formigando, o pulsar no peito da dor de ‘podia, seria, queria’ sem origem e sem destino.

Deus passou e deixou para trás nuvens, um toque de perfume de chuva e o frio de todas as distâncias que já me afastei. São seus passos que escuto no vento ou—será?—apenas o lamento de que se foi o nosso, de toda existência, único motivo? Aqui ou ali, em algum lugar deve estar. Talvez fincando marcas nas montanhas, a deixar-nos todos boquiabertos com os caminhos da erosão, ou pulando nas poças d’água atlânticas e pacíficas, esbravejando ondas e dando sentido às correntes do mar. Minutos, minutos, e as abas de suas vestes me tocariam e eu seria sua.

— Senhora, senhora—não queria incomodar—mas, por acaso, viu Deus passar? Ele esteve aqui… ou ali. Ou será que o pó foi apenas varrido para cá a fim de nos despistar?

Está tão frio que logo começo a duvidar que o frio venha de fora. Há quanto tempo já estou morta? Mal termino de embaçar o vidro com a pergunta, meu coração dispara estilhaçando a teoria. Não, o frio é apenas a falta. E é uma deselegância toda essa poeira à minha volta, sem a glória da História para a justificar. Nesta época, nesta ausência, nem mesmo os passarinhos cantam, nem os insetos zumbem, nem meu espírito ama. Mas, apenas um sorriso seu, meu amor e minha razão, e novamente haveria razão. Talvez você possa me deixar lhe espiar, por um milésimo de segundo que seja, numa manhã escura de inverno, como um vizinho que ‘acidentalmente’ deixa as persianas abertas para que a alegria de sua reunião familiar particular seja completa. Um relance dos anjos, um vulto do poder criador que gerou todo o universo, uma sensação de beijo na alma e eu estaria completa. Mas, de que adianta o meu argumento? Que seja aqui ou ali, no alto de um monte ou nas profundezas oceânicas, já é tarde demais, já é longe, já é ontem, para eu o encontrar.

Meu suspiro fica na janela enquanto me afasto, mas, por qualquer atraso, a tempo de ver o brilho do sol vencendo as nuvens e tocando meu rosto com calor. Por apenas um milésimo de segundo.

Obrigada, Deus. Obrigada.

  • Não conheço essa música, mas gosto muito de Barlow Girl ^^ Pedi desculpas no Facebook por escrever tanto sobre o frio, mas é que só escrevo sobre o que sinto. Aí o outono fica naturalmente presente nos meus textos. Mas, preparem-se, o inverno está chegando. ;) http://cdn.memegenerator.net/instances/400x/28210857.jpg

  • Rebeca Lima Teixeira

    Lembrei de um verso de uma música daquela banda, Barlow Girl: “feel your sunlight on my face”. E lembrei também que indo pra faculdade, sempre vejo do ônibus uma parede grafitada com aquele versículo de Isaías, “Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.”

    Essa sua veia poética é um charme. O outono está te inspirando?

    Beijinhos e até mais!

  • O livro será apresentado na Feira Internacional de Livros de Frankfurt em 2013 ;)

  • Wania Braganca

    Quando o sol surge entre nuvens e esquenta o meu rosto, também sinto  como um beijo, daquele que criou todas as coisas. Os dias cinzas me entristecem, mas o bom é que sabemos, que o sol volta sempre a brilhar novamente. Te amo minha escritora predileta.  bom demais ler o que você escreve, como é tocante. Eu aqui esperando o livro. Deus te abençoe.