27 de julho de 2012

Por que odiamos aquele casal?

Sim, você sabe do que estou falando. Aquele casal cujo hobby parece ser querer mostrar para todos o quanto é feliz e bem-sucedido.

No Facebook, temos a esposa que fica mandando recadinhos fofuxinhos para “o melhor maridinho do universo ever!” ou o cara que fica postando fotos dela com comentários do tipo “te amo, gata!”, como se não estivessem na mesma sala e não pudessem falar tudo isso pessoalmente.

Na vida real, temos os que se dão beijinhos constantemente e falam um com o outro no diminutivo e com voz de bebê. Mesmo quando o outro não está presente, são só elogios e sorrisos. In-su-por-tá-vel.

Odiamos casais que nos fazem lembrar que são casais. Odiamos casais que parecem ser felizes. Odiamos casais que não parecem ser felizes, mas que insistem em DPA (demonstrações públicas de afeto). Odiamos casais. Mas, por quê?

Reuni alguns possíveis motivos para esse fenômeno.

1. Eles só podem estar mentindo
Nós sabemos, através das estatísticas, às vezes por experiência e pelos relatos dos nossos parentes, que é impossível um casal estar tão apaixonado! Lemos aquela pesquisa que diz que paixão só dura no máximo dois anos. Isso significa que, obviamente, depois disso, o casal só está meramente se tolerando, não é? Eles fingem que são felizes para aparecer ou para se consolar da triste verdade: se detestam, mas estão presos em um relacionamento mantido só pelo público.

2. Eles não sabem do que estão falando 
Juras de amor de casais de namorados apaixonados são irritantes porque eles obviamente não sabem nada a respeito um do outro, mesmo quando acham que sabem. As juras de amor são feitas, não a partir de uma decisão consciente e refletida, mas por influência hollywoodiana dramática sobre suas emoções fracas.

Juras de amor de casais casados são irritantes porque eles obviamente são obrigados a fazer isso, agora que se comprometeram legalmente a estar juntos. As juras de amor são feitas, não por uma emoção grande que os motiva, mas pela tentativa de melhorar a nhaca que é seu relacionamento legalmente e permanentemente estabelecido.

3. Eles nos lembram do que nos falta
Quando estava solteira, me irritava já um pouco com os nhenhê, uiuiuis dos casaizinhos.

A pior fase, no entanto, não foi a solteirice, mas o tempo em que o meu namorado estava morando em outro país, sem previsão de volta. Aí eu sentia impulsos genuínos de bater em casaizinhos que se beijavam e abraçavam em público. Girava os olhos impaciente e meu cérebro gritava: “Que falta de respeito desses malditos casais! Eles não sabem que existem pessoas no mundo carentes e sofrendo??? Por que tem que fazer isso???!”

OK, talvez meu cérebro gritasse com um pouco menos de interrogações. Ou não.

4. Nós somos pessoas cínicas e amarguradas
Eu sei, eu sei, você não é. Estou falando de mim e de outras pessoas.

Nós, embora aparentemente felizes e otimistas e amantes da vida, quando se trata de relacionamentos românticos, adotamos a atitude que consideramos mais sábia, experiente e inteligente: questionar, ironizar e enxergar tudo com a pior lente possível.

Isso com o relacionamento dos outros, é claro. De alguma forma, o único relacionamento romântico que consideramos legítimo, especial e verdadeiro é o nosso próprio. Quando solteiros, sonhamos com uma linda história de amor, aquela que não acreditamos ser possível de acontecer com qualquer outra pessoa. Quando estamos em um relacionamento, nos achamos envolvidos em uma trama única, temos lembranças que não trocaríamos por nada. Cada curva, cada esquina, cada aprendizado, cada transformação e até mesmo cada erro torna tudo oh-tão-fantástico. Mas, somente para nós.

Enxergamos segundas intenções por trás de tudo, falsidade em cada palavra, procuramos motivações ocultas para as escolhas de um pelo outro, como se outra motivação fosse necessária além do amor. Não acreditamos nos relacionamentos dos outros porque não acreditamos no ser humano. Só em nós mesmos.

Adoramos histórias de amor em filmes, porque não temos motivos para duvidar de personagens fictícios. Será que poderíamos dar a mesma dose de confiança para pessoas reais?

E você, alguma vez já ficou irritado(a) com as demonstrações de afeto de algum casal? Decidiu mudar de atitude a partir de agora?

  • Entendo. :) Acho que sou uma das poucas que me incomodava com quase todo tipo de casal, então :P (exceto de velhinhos, velhinhos sempre são fofos)

  • Rebeca Lima Teixeira

    Eu não gosto de demonstrações exageradas de afeto, porque parece que o casal está querendo uma audiência. Por exemplo, quando um não consegue desgrudar os lábios do outro (e isso é um eufemismo) em público. Mas acho muito fofo aqueles casais que andam de mãos dadas, brincam e parecem que se conhecem há séculos… Casais que mostram que se amam e nem percebem. Esses eu acho lindinhos.

    Beijinhos e até mais!

  • Não, sempre falei nhaca também :D E que bom que não são todos que odeiam casais felizes. Eles sempre me irritaram um pouco, até eu começar a pensar por quê :)

  • Ótimo texto.Eu pensei que era só a minha família que falava “nhaca”. E eu não odeio casais felizes, eu os admiro, tipo, eu tenho uma lista de casais que são exemplos para mim pelo que sentem e como demonstram isso. Will e Jada Smith, Jay-Z e Beyonce, Chris Martin e a sem sal, kkk. E por aí vai.

  • Também te amo, mamis :)

  • Brigada, tia :)

  • Pior que não, mas quando postei as fotos do aniversário e tudo mais fiquei o tempo pensando “ê laiá, agora a gente que tá sendo o casal irritante!” x) Que leiam esse post e aguentem. É só uma vez no ano mesmo!

  • Acho que vc fez esse post antecipando os possíveis rolling eyes
    provocados pela comemoracao do primeiro ano de casados, hauhua!

  • Wania Braganca

    é verdade, quando é a gente apaixonada nao liga que os outros se irritem com nossas frase romanticas e gesto inundados de carinho que parecem ate falso quando julgados pelos os que estao de fora, mas é tao bom né essas demonstracao de amor. Minha escritora predileta va em frente porque seu talento promete sucesso. Bjos te amo!

  • Pq ela é linda, Maravilhosa, e abençoada ccom um talento especial, Parabéns mima, muito bom!