18 de maio de 2015

Quando formos jovens de novo

Um dia, quando formos velhos
Olharemos para trás e nos acharemos
Tão imaturos e nos perguntaremos
“Meu Deus, que tinhamos na cabeça?“
E desejaremos voltar para fazer de novo
Exatamente as mesmas coisas

Um dia, quando formos velhos
Lembraremos do fogo que nos pegou
As labaredas já tão frias na memória
E lamentaremos as poucas cicatrizes que restaram
De prova do dia que quase nos perdemos

Um dia, quando formos velhos
Olharemos para os jovens e suspiraremos
De alívio ou de espanto, não sei
Porque não sabem ainda que somos jovens também
Meramente disfarçados

Um dia, quando formos jovens de novo
Olharemos para o mundo e lembraremos
Da diversidade, da abundância e da profundidade
Das amarguras e tragédias desta vida
E iremos sorrir