3 de abril de 2009

Recapitulando: o blog ainda vive e a Alemanha também

Eis que sumi. Nao, ainda nao acabou minha última tentativa de ser blogueira. Como diria a sábia Shakira, “estoy aqui”!

Muita coisa aconteceu nas últimas semanas.

* A primavera chegou e tivemos temperaturas de 21 graus e, pasmem, com sol! Quase fui para a piscina, emocionada.

* Participei de uma feira para profissionais de estética em Düsseldorf. Ajudei a demonstrar e explicar um aparelho novo de estética que logo, logo deve invadir os saloes e revistas de beleza pelo mundo. Mais informacoes a respeito no próximo blog. Só posso adiantar que você vai querer fazer tratamento com ele, =P

* Assisti a 5a. temporada de Lost (até onde tem). Há quem ame, há quem odeie, mas só uma coisa nao se discute: Lost é de longe a melhor série de todos os tempos. E tenho dito!

* Comprei um chápeu! Desde que assisti Uma Linda Mulher, aos 5 anos de idade, queria um que eu tivesse coragem de usar. Acho que consegui. ^^

* Estou viciada em mais uma música de Xavier Naidoo / Söhne Mannheims. É triste e nostálgica, mas é linda. Quem gosta do idioma alemao como eu, com certeza vai gostar.

* Estou cada vez mais apaixonada pela Alemanha. É isso mesmo! Certa vez li um texto sobre a Alemanha de um jornalista britânico. Ele concluia com algo que achei muito verdadeiro:

A Alemanha é o segredo mais bem guardado da Europa. Existe uma conspiracao entre ignorantes no exterior e pessimistas na Alemanha, que querem esconder como esse país é atrativo. Eu apoio o pessimismo, é positivo, pois é o contrário da complacência. Mas, isso pode confundir muito os estrangeiros. Eles devem criar por si próprios uma imagem da Alemanha.

Uma conspiracao: O pessimismo na Alemanha é algo fenômenal, de fato. É contagiante, furtivo e mais perigoso que uma lavagem cerebral.

Lembro do momento em que pisei pela primeira vez nessa terra. Era fim de outono e estava frio e tao nublado que as nuvens doíam de pesadas na minha cabeca. Meio confusa com o fuso horário e a longa viagem, adormeci e acordei no caminho para casa diversas vezes. Mas, sempre que abria os olhos, via árvores e mais árvores e mais árvores passando pela estrada. Bosques de árvores coloridas, amarelo e vermelho. Bosques de árvores semi-secas e retorcidas. Parecia um devaneio inspirado em leitura excessiva dos irmaos Grimm (que sao alemaes, por sinal).
Na manha seguinte, quando abri a janela do meu quarto (no quarto mais alto da torre mais alta do castelo), avistei todo o horizonte, coberto por uma névoa fina e preguicosa. Achei tudo aquilo simplesmente … mágico. Amei cada segundo de andar tremendo até a estacao do trem. De sentir o ar frio queimando o meu rosto. Amei as construcoes históricas, os passeios pelos jardins de mais de trezentos anos, o ritmo sossegado, o transporte público, a seguranca, o jeito quietao de alguns habitantes, o jeito barulhento de outros, a mania de ecologia, a educacao, a sinceridade, a pontualidade, o natal tradicional, a neve, a falta de neve e tudo mais.
Mas, assim como a atmosfera era mágica, todos os habitantes, estrangeiros e nativos, pareciam estar sob uma espécie de encantamento ou transe hipnótico e nenhum deles enxergava o local em que viviam. Era assustador! Onde havia dia, viam noite. Onde havia vida, viam morte. Onde havia um refrescante ar matutino, viam uma frente fria! Mein Gott!

Logo fui abduzida por esse monstro de fumaca chamado pessimismo: fiquei um pouco insatisfeita, meio preocupada, um tanto nostalgica, totalmente resmunguenta e absurdamente patriota. Note: ser patriota nao é ruim, mas se tornar excessivamente patriota depois que se larga o país nao é amor à pátria, é orgulho xenófobo.Mas, vocês que moram aqui ou desejam algum dia conhecer a Alemanha, nao se deixem contaminar pelas palavras contaminadas de saudade e traumas pós-guerra. Sim, o inverno é ridiculamente longo e frio, mas isso só torna a primavera ainda mais maravilhosa. Tenho aprendido uma licao semi-clichê e totalmente verdadeira com a estacoes do ano, sobre fé e espera. Nao importa quao longo e duro tem sido o frio. Nao importa quao mortas e secas as arvóres parecam estar. Eventualmente, o sol volta, as flores brotam, o verde renasce. Todos os anos. Sem falta.

E me dá uma espécie de consolo indizível observar a paisagem ao meu redor sempre mudando e se renovando. Como dizia a grande banda Relient K, lately the weather has been so bipolar and consequently so have I.
Enfim, ser apaixonado pela Alemanha nao significa amar menos o Brasil. Significa apreciar as diferencas e aceita-las, para melhor ou para pior. Assim é a vida, =P

Bem, esse foi o resumo extremamente resumido e parcial do meu mês. Volto amanha, se Deus quiser.

  • Tenho um desejo enorme de morar na Alemanha, nem que seja por dois meses. Mas já me comentaram do clima daí (não falo só da temperatura).

    Essa ideia do frio e da primavera curta, me fez pensar em outra coisa: o trabalho árduo e os poucos momentos de lazer. Minha vida tem sido mais ou menos isso, tenho estudado de domingo a domingo praticamente. E vou dizer, isso faz com que meus momentos de lazer sejam superpotencializados.

  • Naty, cumpre o que promete siiim! Depois vou postar sobre isso ^^ E postei a imagem do chapéu em sua homenagem. rs

  • Mima!!! Que bom que vc não desistiu!!
    Vem cá, se esse tratamento que vc demonstrou cumprir o que promete ( dei uma espiadinha no site), eu muito vou querer usar meeeeeesmo, uma vez que agora há pouco ainda estava reclamando dos vulcões na minha testa…Você podia postar uma imagem do seu chapéu ;D…Ah e do jeito que vc fala da Alemnha, dá vontade de conhecer mesmo!! Bjinhos Mima, bom calor pra vc!!!

  • Oh mein Gott, Shakira e Relient K num mesmo post! Blasfêmia x)
    Té amanha =*